Main Page Sitemap

Top news

Adornar el chango para que otro lo baile: chango se le dice al mono y la frase hace referencia a sexo buceta arabe barqua la exhibición de un animal de circo, pero su sentido es similar al de la expresión argentina uno la..
Read more
Podes iniciar uma conversa com todas estas belezas e convidá-las para uma sala de chat de sexo privado para sexo selvagem na webcam.Apresentamos-te a mais ampla seção de homens e mulheres escaldantes que vão tornar realidade todos os teus sonhos.Fica proibido o acesso..
Read more

Conto erotico com chat





Branquela, comigo o serviço é completo!
Quando encostei nele senti um volume enorme roçando minha bunda por cima da roupa.
Eu estava de chat sexe humor camisola de dormir, o que ele imediatamente retirou.
Pois agora é a sexo foda on line minha vez, vadia!
Mas meu marido não era esse tipo de homem.Os jatos de porra vieram com força e quentes.Eu passei a língua na cabeça grande e inchada, e fui descendo e lambendo ele todo, até chegar às bolas.Fiquei ali uns cinco minutos mamando na vara dele, e ele estava quase gozando na minha boca.Me apavorei na hora.Ele falou isso afastou minha calcinha pro lado e meteu a língua na minha perereca.Na verdade eu queria era ser comida por um macho de verdade, um macho que me fizesse virar os olhos, alguém que me comesse pela frente, por trás, que me fizesse subir as paredes.Vou gritar se você tentar!Nesse curso era normal a gente sair às sextas à noite pra algum barzinho.Passaram se meses, até que surgiu uma oportunidade real de contato com o tal Jorjão, quando fiz a revista da mulher que vinha visitá-lo.Ele era forte e musculoso, e conseguia me segurar sem muitas dificuldades.



Ele nem quis receber o conserto que fez.
Ele queria me comer literalmente, porque com os olhos ele me comia sempre.
Ele me sugou toda, me xingando de puta safada e outras coisas mais, até me fazer gozar na boca dele.O que seria de mim se os outros presos soubessem?Eu te mato aqui dentro!Logo ele começou a meter na minha boca num movimento de vai e vem frenético, como se estivesse fodendo uma bocetinha bem gostosa.Eu estava no sofá deitada e cochilando com a revista aberta.Mas me contive, pois sou casada e nunca tinha traído o meu marido.Sou descendente de alemães, sou loira, mas não sou loira do tipo branquela, sou uma mulher alta e grande, tenho um corpo proporcional à minha altura.Basta enviar para Darei preferência aos contos inéditos, ou seja, que não foram publicados em outros sites do gênero.Só de imaginar ele ali me olhando, minha buceta já estava toda molhadinha.

Em segundos ele começou a me abraçar e me apalpar toda.
Mas estava excitante, porque eu nunca tinha transado assim.


[L_RANDNUM-10-999]
Sitemap